Frank Carter & The Rattlesnakes

10 DE FEVEREIRO 2022 - LAV LISBOA AO VIVO (LISBOA)
1ª PARTE: TBA
ABERTURA DE PORTAS: 20H00
INÍCIO DO ESPETÁCULO: 21H00

  • PREÇOS BILHETES
  • 25 euros
  • CLASSIFICAÇÃO
  • M/6 anos

Verdadeira bomba de rock'n'roll injetado de punk, FRANK CARTER & THE RATTLESNAKES apresentam a novidade «Sticky» em Portugal no início do próximo ano.

Liderados por um dos vocalistas mais endiabrados de que hà memória no universo do rock, FRANK CARTER & THE RATTLESNAKES são uma verdadeira força da natureza – e, ao longo dos últimos seis anos, transformaram-se numa daquelas bandas que têm mesmo de ser vistas ao vivo. A recente atuação como cabeças-de-cartaz do festival Download Pilot, em Castle Donington, foi, de resto, um bom exemplo disso e desencadeou uma libertação de energia reprimida e emoção pura que viverão por muito tempo na memória de todos os presentes. Agora, com o vigor acumulado durante um ano sem concertos ou digressões, o quarteto formado por Carter, pelo guitarrista Dean Richardson, pelo baixista/teclista Tom Barclay e pelo baterista Gareth Grover prepara-se para regressar à estrada para uma enorme tour pelo Reino Unido e pela Europa. Na rota consta uma paragem em Portugal, quatro anos após a estreia por cá como banda suporte dos conterrâneos Biffy Clyro, com os músicos britânicos a pisarem pela primeira vez solo luso em nome próprio, para um espetáculo único agendado para 10 de Fevereiro de 2022 no LAV – Lisboa Ao Vivo. Na bagagem, trazem o novo álbum de estúdio, intitulado «Sticky», que sucede ao muitíssimo aplaudido «End Of Suffering» e será editado no dia 15 de Outubro deste ano.

A posição que FRANK CARTER & THE RATTLESNAKES ocupam atualmente não deixa de ser surpreendente, sobretudo se tivermos em conta que, no início de 2015, a banda ainda nem sequer existia. A 18 de Agosto desse ano, Frank, que tinha estabelecido um nome e uma reputação de respeito como vocalista dos Gallows, subiu pela primeira vez a um palco com o seu novo grupo para apresentar «Blossom», o disco de estreia, frente a uma plateia esgotada no pequeno Borderline, em Londres. As reações não se fizeram esperar, claro. Dois anos depois, e já com o segundo disco, «Modern Ruin», esgotaram a Brixton Academy com 5,000 pessoas e, em 2018, elevaram ainda mais a fasquia, partilhando palcos de grandes festivais pelo mundo fora com grupos como os Foo Fighters e Prophets Of Rage. Pelo caminho, apoiados em descargas de rock com uma sensibilidade melódica afinada, causaram tumultos por onde passaram, mas isso foi só um mero aquecimento para o que viria a seguir, com o endiabrado Frank e a sua banda a atuarem em eventos como o Glastonbury ou o Download e a conquistarem corações com hinos de confiança, luxúria e honestidade.

Com o novo «Sticky», o músico britânico pretende musicar uma muito aguardada saída do lockdown. Produzido pela primeira vez pelo guitarrista Dean Richardson, o disco solidifica a colaboração como uma das parcerias mais emocionantes do punk rock britânico. Carter soa como uma força indomável, incorporando as auras ameaçadoras de Keith Flint e Sid Vicious no mesmo corpo. O resultado é um disco que não perde tempo para bater forte: não há uma única canção que chegue a atingir a barreira dos quatro minutos, e poucas chegam aos três. «Sticky» é a erupção sónica de mais um ano de energia reprimida e, embora seja uma experiência escapista, a realidade nunca está muito longe. Está lá em «Go Get A Tattoo», inspirada pela experiência de Carter ao ter de fechar o seu estúdio de tatuagens em Londres; está lá em «My Town», uma vinheta suburbana da saúde mental coletiva de uma sociedade a desfazer-se. No final, o que temos em mãos é, segundo o próprio, um álbum “nostálgico, mas clássico. Eterno, e também moderno.” Haverá melhor banda-sonora para uma liberdade recém-descoberta?

BIOGRAFIA FRANK CARTER & THE RATTLESNAKES

Frank Carter cresceu obcecado por música, skate e pintura em Hertfordshire, Inglaterra, e começou a gostar de punk rock desde pequeno, muito por culpa dos álbuns dos The Clash que estavam na coleção de música dos seus pais. Depois de ultrapassada a paixão inicial, o jovem criativo começou a achar a banda um pouco brilhante e alegre demais para o seu gosto e tratou de iniciar uma longa jornada em busca de sons mais sombrios no vernáculo punk. Mais que isso, encontrou rapidamente essa escuridão na sua própria música com a formação dos Gallows em 2005, a banda de punk hardcore raivoso em que desempenhou o papel de vocalista e frontman até 2011. Com dois álbuns incontornáveis no currículo, «Orchestra Of Wolves» e «Grey Britain», de 2006 e 2009, respetivamente, Carter, que entretanto se tinha transformado numa das vozes mais icónicas do punk moderno, juntou-se ao guitarrista norte-americano Jim Carroll e, em 2012, criou o projeto Pure Love, com uma postura lírica mais positiva e um som mais em dívida com o rock mainstream do que com o punk. A colaboração foi fugaz e deu origem a apenas um punhado de singles e um solitário LP, «Anthems», de 2013, antes da criação dos Frank Carter & The Rattlesnakes em Março de 2015.

BILHETES

Locais de Venda: Ticketline.
Lojas: FNAC, Worten, El Corte Inglés, Turismo de Lisboa, ABEP, Ask Me Lisboa, Casino Lisboa, Centro Cultural de Belém, Fórum Aveiro, Galeria Comercial Campo Pequeno, Shopping Cidade do Porto, Time Out Mercado da Ribeira, U-Ticketline e Unkind.pt.
Internacional: Masqueticket.

Mais acerca de Frank Carter & The Rattlesnakes